Conheça 9 castelos e mansões abandonados em todo o mundo

Os custos para manter um castelo são bem altos

Castelos abandonados pelo mundo
4.576

Manter um castelo ou uma mansão custa muito dinheiro e é preciso que os proprietários estejam dispostos a arcar com todos os custos de manutenção, limpeza e etc.
Não por acaso, em todo o mundo, diversos castelos que chegaram até a abrigar, grandes universidades, estão abandonados.
Castelo Pidhirtsi – Ucrânia

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Construído entre 1635 e 1640, o castelo era completamente mobiliado, mas acabou tendo seu interior destruído durante a Primeira Guerra Mundial pelos soldados russos. Curiosamente, o seguinte proprietário do Castelo, Roman Sanguszko, em 1939 tirou alguns de seus móveis mais famosos e os levou para outro país – o Brasil.

O castelo acabou sendo reaberto durante a Segunda Guerra como um sanatório para tuberculosos, mas o prédio acabou pegando fogo em 1956, destruindo o restante do seu interior.

Castelo Miranda ou Castelo de Noisy – Bélgica

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Desde 1991 a propriedade está abandonada, em grande parte porque a família proprietária, Liedekerke – Beaufort, se recusa a entregá-lo à prefeitura do município e investidores não tiveram interesse em mantê-los por conta dos altos custos.

Ele foi construído em 1866 por um arquiteto inglês a pedido dessa mesma família, que viveu nele até a segunda Guerra. Nesse período, ele foi tomado pela Companhia Nacional da Bélgica.

Halcyon Hall – Nova York

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Em 1890 ele foi construído para ser um hotel de luxo, que acabou fechando 21 anos depois. Foi nesse período que a Bennett School for Girls – Escola Bennett para Garotas, uma famosa universidade dos Estados Undos, mudou-se para o prédio.

A universidade foi à falência em 1978 e, desde então, o prédio se encontra desocupado.

Castelo Van Mesen – Bélgica

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Desde da sua construção, em 1628, o castelo já abrigou diversas coisas: já foi um castelo real, uma destilaria de gim, uma fábrica de tabaco e, após a Primeira Guerra, um internato feminino financiado pela aristocracia belga.

Quando a educação francesa, a mesma aplicada no internato, foi proibida em regiões flamengas, em 1971, o colégio fechou as portas e ficou abandonado até a sua demolição.

Lillesden Estate Mansion – Reino Unido

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

O banqueiro inglês Edward Lloyd financiou a construção da mansão, que aconteceu entre os anos de 1853 e 1855. A propriedade foi vendida após a Primeira Guerra para uma escola de garotas, mas, antes disso, chegou a ser um hospital e um colégio preparatório para meninos.

Com o fechamento do Colégio Lilesden, em 1999, o prédio foi desocupado e permanece abandonado.

Castelo Bannerman – Nova York

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Em 1900, o escocês Francis Bannerman comprou a ilha de Bannerman, onde fica a mansão, e a construiu para armazenar seu excedente de negócios militares. Dois anos após a morte do imigrante, já em 1918, 200 toneladas de conchas de munições e pólvoras explodiram, destruindo uma parte da estrutura do castelo. Um incêndio, ocorrido em 1969, acabou destruindo o chão e telhados também.

Há 66 anos a ilha está inabilitada e boa parte do seu castelo perdeu sua estrutura.

Palácio do Príncipe Said Halim – Egito

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

O designer Antonio Lasciac desenhou o palácio no estilo dos prédios da Belle Epoque em 1899 para o príncipe Said Halim. Alguns anos depois, o palácio passou a abrigar a Al-Nassiriyah, escola secundária para meninos.

Ele está abandonado desde 2004, após o fechamento do colégio.

As Ruínas – Filipinas

Castelos abandonados pelo mundo
Castelos abandonados pelo mundo

Originalmente construída por Don Mariano Lacson, em homenagem à sua primeira esposa, Maria Braga, a mansão passou às ruínas durante a Segunda Guerra, quando as forças armadas dos EUA invadiram o prédio e o incendiaram para evitar que fosse usado como quartel general das tropas japonesas.

Fonte: Matéria originalmente Infomoney – por Júlia Miozzo

Comentários