Voos Ryanair entre Reino Unido e Europa podem acabar

O que vai acontecer às viagens para o Reino Unido

A saída do Reino Unido da União Europeia pode ter consequências diretas nas viagens de e para este destino. Saiba as três que são as mais previsíveis:

Aumento das passagens aéreas
As facilidades que, até à data, existem para as companhias aéreas conseguirem baixar os preços devem alterar-se. Os acordos que abrangem os serviços aéreos terão que ser negociados, o que poderá refletir uma queda na concorrência e, por sua vez, um aumento nos preços.

Nos termos da legislação do Céu Único Europeu, qualquer transportador com base na UE tem o direito garantido para operar livremente em todo o continente, sem restrições. E desde que o programa foi aprovado pelo Parlamento Europeu, em 2004, «os passageiros assistiram a uma diminuição das tarifas em cerca de 40 por cento e a um aumento das rotas em 180 por cento», disse um porta-voz da easyJet.

Assim que o resultado foi divulgado, Carolyn McCall, presidente-executivo da easyJet, anunciou que tinha enviado um comunicado ao governo do Reino Unido e à Comissão Europeia, «pressionando para que o Reino Unido continuasse a estar no mercado único da aviação da União Europeia, tendo em conta a sua importância para a economia e para os consumidores».

Prevê-se, então, que as companhias aéreas tenham que restruturar as suas ligações com o Reino Unido: acrescentam-se burocracias, custos e instabilidade. Uma situação que se complica ainda mais para as low-cost.




Continua o roaming depois de 2017
Um relatório da Associação de Agentes de Viagens Britânicos (ABTA) e Deloitte alerta para o aumento do roaming. As tarifas de roaming dentro da UE são de 5 cêntimos mais tarifa nacional por minuto para chamadas, 2 cêntimos mais tarifa nacional para mensagens de texto e 5 cêntimos mais tarifa nacional por cada megabyte de dados móveis consumidos. Espera-se que a partir de junho de 2017 não haja taxa de roaming, sendo apenas cobrada a taxa nacional. Mas no caso do Reino Unido a situação poderá complicar-se. Estando fora da UE, está fora destas facilidades aplicadas ao roaming no estrangeiro. Para quem depende do telemóvel durante uma viagem é uma «má notícia», por enquanto.

Queda da libra
Adiantou o Diário de Notícias que no dia do referendo a libra atingiu o valor mais alto de 2016. Após a divulgação dos resultados a queda foi brutal. A libra colapsou para o seu valor mais baixo desde 1985: 1.3466 dólares, de acordo com dados da Bloomberg. Tendo em conta que o Reino Unido é o principal emissor de turistas para Portugal, é possível que haja alguma diminuição de turistas ingleses.

 

Fonte: Volta ao Mundo

Co-Fundadora e Ceo do Europamos. Mãe do Pedro, Carioca que fala "bixcoito" e portuguesa com muito orgulho. Publicitária, Pós Graduada em Gestão Empresarial e apaixonada em viajar, tem como meta dar a volta ao mundo. Mas por hora, encara o maior desafio da sua vida junto com a sua família na Irlanda.