Um blog com dicas e experiências sobre viagens pela Europa. Aqui contamos a nossa historia :-)

Como comprar moeda estrangeira sem banco, com menores taxas e sem IOF

295

Se tivesse que votar no aplicativo que mais facilitou a minha vida nos últimos 40 anos, escolheria o genial Transferwise.

Ando tão empolgada com a novidade que tem amigo achando que faço parte da equipe de marketing dessa genial start-up criada pelos estonianos Taavet Hinrikus (que também foi o primeiro funcionário do Skype!) e Kristo Käärmann. A ferramenta já existe há um tempinho, mas só recentemente passou a fazer operações em reais. Quando me inscrevi, em abril do ano passado, apenas as principais moedas participavam da festa. Hoje em dia, 50 “dinheiros” do mundo podem ser convertidos pelo app. Testei essa maravilha duas vezes na última semana e vou contar para vocês como funciona.

 

O primeiro passo é abrir uma conta. Para isso, basta preencher um formulário simples e escanear um documento (no meu caso, usei o passaporte). A verificação é feita em instantes e, a partir de então, você já pode começar a operar. A transferência precisa ser feita para uma conta no exterior. Ou seja, o aplicativo é muito mais útil para quem mora fora do que para turistas. Ainda assim, qualquer pessoa que tenha um amigo ou familiar vivendo fora do Brasil pode se beneficiar disso. Vai para os Estados Unidos? Tem alguém de confiança morando lá? Você pode perfeitamente fazer uma transferência e deixar os seus dólares esperando pela sua chegada. A partir de hoje, vou sugerir isso para todo mundo que vier me visitar.

A primeira transferência, de um valor equivalente até £ 1000, é gratuita. A partir da segunda, é cobrada uma taxa de aproximadamente R$ 19 por cada R$ 1000 que você transferir. Ou seja, 1,9%. Suave! Você pode transferir até R$ 9999,00 por mês.

Atualização (20/7/2016): Segundo a Transferwise, a primeira transferência só é gratuita se você for convidado por alguém (no meu caso, não fui convidada mas a transferência foi grátis mesmo assim…. mistério). Então, para não ter problemas, faça o seu cadastro através deste link-convite.




Ao digitar o valor a ser transferido, você já sabe o quanto vai chegar na conta de destino (veja a tela abaixo). Hoje, R$ 1000 renderiam € 271, já com a taxa de R$ 19,61 incluída no pacote, SEM IOF. Fazendo essa conversão no câmbio oficial, algo que é inimaginável em numa transferência internacional por qualquer banco, você teria € 276 euros. Ou seja, uma diferença de apenas € 5.

transacoes-bancarias
Depois que o valor é estabelecido, você preenche o número da conta de banco no exterior para a qual pretende enviar dinheiro (que não precisa estar em seu nome) e, no final do processo, recebe um boleto bancário com código de barras para pagar pela transferência no prazo de mais ou menos 24 horas (o meu boleto era do banco Itaú). Uma vez pago o boleto, você recebe um email confirmando em que data o dinheiro cairá na conta estabelecida. Fiz duas operações de transferências e, em ambos os casos, o prazo estipulado foi de cinco dias. Nas duas ocasiões, o dinheiro chegou dois dias antes do previsto. Aplausos efusivos.

 

Vejam um comparativo entre a mesma transferência pelo Transferwise e o banco Itaú

R$ 1.000 = € 271,76 (já com a taxa de R$ 19,61 incluída nessa conta)

PELO ITAÚ

Os mesmos € 271,76 R$ custariam 1.134,91 (com taxa de R$ 100 + R$ 3,92 de IOF)

Ou seja, R$ 134 economizados, que podem render uns € 37 (um jantar espetacular, com vinho do bom, em Barcelona! heheh)

 

Como eles operam esse milagre?

A grande sacada do Transferwise é que ele não opera com transferências internacionais. O aplicativo nasceu de uma ideia simples. Imagine que eu tenha um amigo brasileiro que possui negócios aqui em Barcelona, que geram uma renda em euros. Mas ele precisa enviar dinheiro para a família que está no Brasil, em reais. Eu tenho rendimentos no Brasil, mas preciso viver em euros. O que fazemos? Eu transfiro os meus reais para a conta dele no Brasil. Ele transfere os seus euros para a minha conta aqui. Sem fazer nenhuma transação internacional (que implica taxas altíssimas, além de IOF), ficamos os dois felizes. O que o aplicativo faz é exatamente isso, só que numa escala global. Com esses reais que eu paguei pelos meus euros, é possível que haja, agora mesmo, um europeu feliz da vida indo curtir uma temporada no Rio de Janeiro. Deu pra entender? Esta reportagem do jornal O Estado de São Paulo explica melhor como nasceu e como funciona o Transferwise.

Espero que eu esteja errada. Mas vista a habilidade que o governo brasileiro tem de estragar prazeres, acho que o aplicativo não vai durar muito no Brasil. Mas que seja eterno enquanto dure!

 

Fonte: Viagem e Turismo – Blog Achados

Comentários