Um blog com dicas e experiências sobre viagens pela Europa. Aqui contamos a nossa historia :-)

Saiba quais são os melhores países para nascer

1.363

Que países ricos e desenvolvidos oferecem as melhores condições de vida não é exatamente uma novidade.

Mas, dentro desse seleto grupo, quais são as nacionalidades que trazem as maiores oportunidades de desenvolvimento para os seus cidadãos?

É exatamente essa pergunta ampla e complexa que o ranking “Quality of The Nationality Index” se propõe a responder. O índice é desenvolvido pela consultoria The Henley & Partners, a mesma que produz o famoso estudo sobre passaportes, em parceria com Dimitry Kochenov, professor de Direito Constitucional da Universidade de Groningen, na Holanda.

Islandia.-Um-sonho-na-terra-08

(Foto: 1zoom.me)

O estudo investigou os impactos positivos das nacionalidades na vida dos seus cidadãos a partir do contexto de cada local. Para tanto, foram avaliados 161 países, considerando aspectos como os índices de desenvolvimento humano, o poderio econômico, os níveis de paz, além da liberdade que a população tem de viajar ou viver em outros países.




Quanto mais próxima de 100% é a pontuação de um país, melhor é o seu desempenho e, por consequência, melhores são os cenários de oportunidades disponíveis para os seus nacionais. Alguns dos países analisados obtiveram a mesma pontuação e acabaram empatando.

Vale observar que esse ranking foi produzido no início de junho, antes de o resultado do referendo no qual o Reino Unido optou por deixar a União Europeia (UE) ter sido divulgado. O país está hoje em 11º, mas, embora os termos da saída do bloco ainda não estejam claros, é possível que esse movimento faça com que o seu desempenho despenque.

brasileiros-preferem-lisboa

No caso dos países da América Latina, as notícias não são boas. A região não emplacou sequer um país nas primeiras posições e é o Chile o que obteve o melhor desempenho no 34º lugar. Os chilenos são seguidos pela Argentina em 37º e pelo Brasil em 38º.

Acompanhe quais países que ocupam o topo do ranking, suas pontuações e posições ocupadas na edição anterior.

1º. Alemanha – 83.1%

Colocação em 2014 – 1º

2º. Dinamarca – 83%

Colocação em 2014 – 2º

3º. Finlândia – 82%

Colocação em 2014 – 3º

4º. Noruega – 81.7%

Colocação em 2014 – 5º

5º. Islândia – 81.6

Colocação em 2014 – 6º

5º. Suécia – 81.6%

Colocação em 2014 – 4º

6º. Áustria – 81%

Colocação em 2014 – 9º

6º. Irlanda – 81%

Colocação em 2014 – 5º

7º. França – 80.9%

Colocação em 2014 – 8º

8º. Suíça – 80.7 %

Colocação em 2014 – 7º

9º. Holanda – 80.3%

Colocação em 2014 – 10º

10º. Bélgica – 80.2%

Colocação em 2014 – 10º

11º. Reino Unido – 80.1%

Colocação em 2014 – 11º

12º. Liechtenstein – 80%

Colocação em 2014 – 12º

13º. Espanha – 79.8%

Colocação em 2014 – 14º

13º. Itália – 79.8%

Colocação em 2014 – 13º

14º. Luxemburgo – 79.3%

Colocação em 2014 – 15º

15º. República Tcheca – 79.1%

Colocação em 2014 – 18º

16º. Portugal – 78.9%

Colocação em 2014 – 16º

17º. Eslovênia – 78.8%

Colocação em 2014 – 17º

**38º Brasil – 48.1%

Colocação em 2014 – 39º

*País não faz parte das primeiras colocações do ranking, mas foi incluído para fins de comparações.

 

Fonte: Exame.com

Fotos: Reprodução Google

 

 

Comentários