Um blog com dicas e experiências sobre viagens pela Europa. Aqui contamos a nossa historia :-)

Museus imperdíveis do mundo e o dia da entrada de graça

165

Da Mona Lisa ao Davi de Michelangelo, do Coliseu romano à cápsula de comando da Apollo 11, muitos dos melhores acervos históricos e artísticos do mundo podem ser conhecidos de graça.

Nos museus que cobram entrada regularmente e só abrem exceção um dia na semana ou no mês, a economia pode ser enorme: com a desvalorização do real, uma entrada no MoMA de Nova York, por exemplo, está custando o equivalente a R$ 100. Confira os dias grátis e aproveite!

Museu do Louvre, em Paris, França
Mona Lisa (ou La Gioconda), de Leonardo da Vinci, o quadro mais famoso do artista mais famoso no museu mais famoso, em Paris.
Grátis no primeiro domingo do mês, mas só de Outubro a Março (preço regular: € 15)

Museu D’órsay
Numa antiga estação ferroviária de Paris, um dos mais charmosos museus do mundo exibe a mais completa coleção de impressionistas do mundo.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 11)

Museu L’orangerie
Ninfeias de Monet, ninfetas de Renoir e a nata do impressionimo francês estão onde deveriam estar, nas margens do Sena.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 9)

Museu Rodin
Pensando há mais de 100 anos, a escultura O Pensador, instalada no aprazível jardim do museu, merece um clique de pertinho.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 7)

Palácio de Versalhes
“Espelho, espelho meu, existe alguém mais belo do que eu”, há de se perguntar o Salão dos Espelhos. “Sim”, responderão os espelhos, “os jardins do palácio são mais belos”.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 18)

Coliseu
Mais clássico do que o Maracanã e a Bombonera juntos, esse museu a céu aberto é visitado numa tacada só com as ruínas do Fórum Romano e do Monte Palatino.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 12)

Museus do Vaticano
O extraordinário acervo do complexo culmina na visita à Capela Sistina, aquela em que os novos papas são eleitos, mas principalmente aquela em que Michelangelo pintou o mosaico mais exultado da Terra, no teto da igreja.
Grátis no último domingo do mês (preço regular: € 16)

Galleria Dell’Accademia
Uma sala dedicada a Giotto e sua escola, além da icônica estátua Davi, de Michelangelo, estão entre as atrações do museu renascentista, em Florença.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 18)

Galleria Degli Uffizi
Em um palácio fiorentino do século 16, o espetacular acervo de arte renascentista reúne uma constelação de mestres como da Vinci, Caravaggio, Giotto, Michelangelo, Rafael e Botticelli, este representado por algumas de suas obras mais famosas, como O Nascimento de Vênus.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 16)

Museu Reina Sofia
Entre outras preciosidades, exibe uma das mais tocantes pinturas sobre os efeitos da guerra, o painel Guernica (1937; 349x777cm), de Pablo Picasso, que retrata os horrores dos bombardeios nacionalistas sobre a pacata cidade basca de Guernica. Só por essa obra-prima, o museu já vale a visita.
Grátis às segundas, quintas, sextas e sábados das 19h às 21h, e aos domingos das 13h30 às 19h (preço regular: € 8)

Museu Picasso
Vizinho ao charmoso e obrigatório Barrio Gótico de Barcelona, o museu dedicado ao revolucionário pintor andaluz tem trabalhos como a tela As Meninas, famosa versão de Picasso para a obra-prima de Diego Velázquez.
Grátis aos domingos das 15h às 19h, e, no primeiro domingo do mês, das 9h às 19h (preço regular: € 14)

Museu Hermitage
No coração de São Petersburgo, na porção mais ocidental da Rússia, o palácio que serviu de residência aos czares abriga uma das maiores coleções de arte do mundo, com um grandioso acervo impressionista e telas do quilate de A Dança, considerada a obra-prima de Henri Matisse.
Grátis na primeira quinta-feira do mês (preço regular: RUB 600, cerca de € 7)

British Museum
Paraíso para os amantes das artes sem grana no bolso, Londres tem importantes museus com entrada franca permanentemente. No British Museum, relíquias arqueológicas como a Pedra da Roseta, peça-chave para a compreensão dos hieróglifos egípcios, e os frisos do Partenon, devidamente afanados de Atenas, dividem espaço com um moderno pátio coberto projetado pelo escritório do arquiteto Norman Foster.
Grátis diariamente

Nattional Gallery
Na Trafalgar Square, o museu londrino é uma das referências da Europa e expõe obras relevantes dos séculos 13 ao 20, com trabalhos de quase todos os renascentistas, impressionistas e modernistas mais importantes.
Grátis diariamente

Tate Modern
Às margens do Tâmisa, o moderno caixote já teve seu exterior grafitado pela dupla OSGEMEOS e exibe um acervo novecentista e contemporâneo de boa cepa, com telas como Summertime: Number 9A, de Jackson Pollock.
Grátis diariamente

Mosteiro Dos Jerónimos
Mais um panteão do que um museu, o magnífico Mosteiro dos Jerónimos, construído entre os séculos 16 e 17 em Lisboa com o dinheiro das grandes navegações, é um conjunto monástico de notável arquitetura onde descansam os restos mortais de Fernando Pessoa, Luís Vaz de Camões e Vasco da Gama.
Grátis no primeiro domingo do mês (preço regular: € 10)




Parque Vigeland
Fica em Oslo a atração mais visitada da Noruega, um parque com paisagismo impecável e 212 esculturas em bronze e granito do norueguês Gustav Vigeland (1869–1943), todas com figuras humanas nuas e em movimento, a exemplo do grande obelisco no qual se amontoam dezenas de corpos. Para quem vai à cidade, é uma visita obrigatória.
Grátis diariamente

National Gallery da Noruega
Embora o acervo vá muito além, é outro museu que já valeria a visita por um único quadro, O Grito, um dos maiores ícones culturais surgidos de uma pintura. A tela é uma das quatro versões conhecidas da mesma criação de Edvard Munch, sendo que duas estão no Museu Munch, também em Oslo, e a outra em uma coleção particular, arrematada em leilão por US$ 119,9 milhões em 2012, na época o valor mais alto pago por uma pintura em toda a história.
Grátis às quintas (preço regular: NOK 100, cerca de € 10)

Museu de Arte Moderna (Moma)
O mais famoso museu de Nova York exibe grandes nomes e obras da arte moderna mundial, passando por trabalhos de Rodin, Cézanne, Gauguin, van Gogh, Munch, Picasso, Klimt, Schiele, Mondrian, Kandinsky, Chagall e Malevich.
Grátis às sextas das 16h às 20h (preço regular: US$ 25)

Guggenhein de Nova York
Na 5ª Avenida e de frente para o Central Park, o prédio de quatro pavimentos em caracol é uma obra-prima em si, e exibe de forma rotativa um acervo de mestres do impressionimo, pós-impressionismo, abstracionismo e expressionismo.
Page “o quanto quiser” aos sábados das 17h45 às 19h45 (preço regular: US$ 10)

Metropolitan (Met)
Dos grandiloquentes museus de arte de Nova York, o Met é o que atravessa mais séculos de história por meio de seu acervo, composto de pinturas europeias de desde os idos de 1200 e de obras, pórticos e relíquias da antiguidade grega, romana, egípcia e assírio-babilônica. O museu sugere o valor da entrada (bem salgado), mas você pode pagar somente um preço simbólico – ou simplesmente visitá-lo sem pagar. Por via das dúvidas, tenha uma moedinha de 5 cents no bolso.
Pague “o quanto quiser” diariamente (preço sugerido: US$ 25)

Museu de história Natural Nova York
Esqueletos de dinossauros, recintos que recriam com perfeição o habitat dos animais – com os próprios lá, empalhados –, um ótimo planetário (pago à parte) e toda a promoção hollywoodiana em cima do museu fizeram dele um must see das famílias com crianças em Nova York. A visita standard, que cobre as alas clássicas, segue o mesmo esquema de cobrança do Met.
Pague “o quanto quiser” diariamente (preço sugerido: US$ 22)

Whittney Museum
Em 2015, após quatro anos de construção, finalmente ficou pronto o novo museu queridinho da Big Apple, projeto do badalado arquiteto italiano Renzo Piano. O espaço de 18 mil metros quadrados com um agradável terraço-vista-New-York fica colado no High Line e abriga uma coleção bem bacana de artistas norte-americanos, como Edward Hopper e Roy Lichtenstein.
Pague “o quanto quiser” às sextas das 19h às 21h30 (preço sugerido: US$ 22)

National Gallery of Art
Assim como Londres, Washington d.C. é uma Meca dos ratos de acervos com entrada franca. Entre os dez museus mais visitados do mundo, a National Gallery tem uma formidável coleção de arte ocidental, sobretudo de esculturas e pinturas, com destaques como um Autorretrato de van Gogh de 1889.
Grátis diariamente

National air and Space Museum
Mais popular dos museus Smithsonian, o poderoso Air and Space guarda marcos da corrida espacial como o módulo lunar Columbia, utilizado na pioneira missão Apollo 11, a primeira a levar o homem à Lua, em 1969.
Grátis diariamente

Getty Center
O enorme complexo todo revestido de mármore travertino tem um dos acervos de arte mais abrangentes dos Estados Unidos, e talvez só não goze de mais popularidade por causa de sua localização, meio fora de mão em plena Los Angeles – cidade conhecida pelas longas distâncias entre suas atrações. Se você for de carro (recomendável!), considere deixar o carro no estacionamento (US$ 15), já integrado ao sistema interno de transporte do museu.
Grátis diariamente

Lacma
Rembrandt, Cézanne, Monet, Gauguin e Renoir estão entre os nomes em exposição no Los Angeles County Museum of Art, o Lacma, outro gigante das artes na costa oeste americana – e muito conhecido também pela instalação permanente Urban Light (2008), de Chris Burdan, cartão-postal da área externa do museu.
Grátis na segunda terça-feira do mês (preço regular: US$ 15)

De Young
Na bela praça principal do agradabilíssimo Golden Gate Park, em San Francisco, o museu já valeria a visita pela localização e pela moderna arquitetura do prédio. O acervo traz sobretudo artistas norte-americanos do século passado e, vá sabendo, as exposições temporárias podem não estar incluídas na gratuidade.
Grátis na primeira terça-feira do mês (preço regular: US$ 10)

Institute of Contemporary art
O moderno caixote envidraçado de Boston harmoniza-se com as obras de artistas como Louise Bourgeois, Mona Hatoum, Nan Goldin, Doris Salcedo e Cindy Sherman, entre outros nomes contemporâneos do acervo e das mostras temporárias.
Grátis às quintas das 17h às 21h (preço regular: US$ 15)

 

Fonte: Viagem

Comentários