Lisbon

Diz a Forbes: Portugal melhor que a Alemanha e os EUA para fazer negócios

A conclusão é da revista Forbes, que coloca o país entre os 20 que reúnem melhores condições no mundo para o desenvolvimento de atividade empresarial no próximo ano.

O ranking da revista Forbes coloca Portugal entre os 20 países do mundo mais habilitados para fazer negócios em 2017, à frente de países como os Estados Unidos, a maior economia global, e da Alemanha, a principal economia da Zona Euro.

De acordo com a lista, que conta com 139 nações e foi divulgada esta semana, Portugal está em 19.º lugar, enquanto a Alemanha ficou em 21.º, os EUA em 23.º, França em 26.º e Espanha em 29.º. Um elenco que é liderado pela Suécia e que conta com mais 13 países europeus. A Itália, terceira maior economia do euro, está em 42.º lugar.

Os Estados Unidos continuam a cair no ranking, penalizados – justifica a publicação – pela burocracia e por limitações na liberdade monetária de comércio. Em 2006 – ainda no consulado de George W. Bush – o país chegou a ocupar o primeiro lugar no ranking, antes de a crise de 2008 ter levado a Administração Obama a avançar com mais de 180 regulamentos empresariais. E o prometido proteccionismo do presidente eleito, Donald Trump, pode piorar ainda mais o cenário, estima a revista.

Portugal lidera na liberdade individual (está em primeiro lugar) e está também bem colocado na liberdade monetária (é o quinto) e liberdade de comércio (na sétima posição). Já a performance bolsista atira o país para o final da primeira metade da tabela, enquanto a protecção do investidor põe o país a meio do ranking.


A revista recorda o percurso feito pela economia portuguesa desde a adesão à então CEE até à fase pós-terceiro resgate da troika, referindo-se ao Governo de António Costa, socialista de “centro esquerda”, como tendo sinalizado que vai reverter os cortes de despesa associados à austeridade, enquanto se mantém dentro dos objectivos orçamentais da União Europeia.”

Suécia lidera

A Suécia sobe quatro lugares num ano, chegando ao topo pela primeira vez, com a Forbes a referir o trabalho de desregulamentação, contenção orçamental e cortes no Estado social realizados nos últimos anos, além do papel de startups tecnológicas (Skype ou Spotify, e de multinacionais como a IKEA, a Volvo, a Ericsson ou a H&M.

Nova Zelândia, Hong Kong, Irlanda e Reino Unido fecham, com a Suécia, o top 5 desta lista. A encerrar o ranking, como piores locais para a realização da atividade empresarial, estão o Chade, a Gâmbia, o Haiti, o Yemen e a Venezuela.

Este é o 11.º ranking anual da revista, que analisa 11 fatores: direitos de propriedade, inovação, impostos, tecnologia, corrupção, liberdade (pessoal, de comércio e monetária) burocracia, proteção de investimento e desempenho do mercado acionista e tendo em conta relatórios de entidades como o Banco Mundial ou o Fórum Económico Mundial.

 

Fonte: Jornaldenegócios.pt

Co-Fundadora e Ceo do Europamos. Mãe do Pedro, Carioca que fala "bixcoito" e portuguesa com muito orgulho. Publicitária, Pós Graduada em Gestão Empresarial e apaixonada em viajar, tem como meta dar a volta ao mundo. Mas por hora, encara o maior desafio da sua vida junto com a sua família na Irlanda.