Um blog com dicas e experiências sobre viagens pela Europa. Aqui contamos a nossa historia :-)

Quanto custa viver na Espanha. Parte I

Quanto custa viver na Espanha. Parte I
1.735

Quando vivemos em uma cidade por um tempo, conhecemos tudo sobre ela. O bairro que identificamos mais ou que cabe no nosso orçamento, assim como outros detalhes para viver bem. Agora, quando mudamos para outro país, temos que começar tudo de novo, entender como cada coisa funciona, então, mãos à obra.

Ufa! Devo confessar que esse processo é muito difícil e trabalhoso. Saber onde tem um supermercado perto, quanto vou gastar com as despesas, tranporte público, como funciona água, luz e gás? O receio de ser um local seguro, se vamos nos adaptar? E os vizinhos? Como temos dúvidas… Por isso, um planejamento é essencial.

Vamos por parte, vou tentar explicar sobre alguns tópicos que acho importante.

Moradia em Sevilha

A minha intenção não é dizer qual é o melhor bairro, mas conseguir explicar como eles são e também os “pueblos”, de Sevilla. As estruturas das cidades da Espanha são bem semelhantes.

Geralmente existe um centro que chamam de “casco antigo” e é lá que a história da cidade começa, onde há casas e prédios residenciais mais antigos. Como em Sevilla ocorreu uma forte influência árabe, os imóveis são ricos em detalhes e arquitetura. Normalmente, o centro é uma área mais valorizada, apartamentos reformados ou estúdios ficam por ali.

Ao redor deste centro começam os bairros, como Los Remédios, Triana, Porvenir, Prado San Sebastián e Nervion, onde podem ser encontradas casas antigas e prédios mais modernos. Pela proximidade com o centro e dos pontos turísticos, essas áreas são consideradas nobres . O aluguel de 2 quartos varia em torno de 500 a 1000€ mensal (com o condomínio incluído).

Outros bairros que me agradam são: Sevilla Este, San Pablo e Pineda, um pouco mais distantes do centro (20 minutos de ônibus), com uma variação menor no valor do aluguel.

Tenho a impressão de serem bairros planejados, são mais novos e amplos. A outra forma de se viver nas grandes cidades da Espanha é nos “pueblos”. Geralmente são lugares mais tranquilos onde todos se conhecem, como se fossem pequenas cidades, mas são dependentes economicamente de cidades maiores. Nesta área é mais comum prédios baixos, sem elevadores e casas, umas mais antigas e tradicionais, outras como se fossem condomínios (todas parecidas). Os pueblos são lindinhos, alguns tem as piscinas públicas, no calor de 47⁰C é uma maravilha! São bem estruturados. Nossos amigos sempre falam que os aluguéis são mais acessíveis, um ponto a ser analisado, porque são moradias bem maiores. Será que gasta-se mais? Manutenção, distância… Nesse caso, aconselho avaliar o custo x benefício.

A maioria dos imóveis já tem geladeira, fogão, máquina de lavar louça, roupa e secadora, armários embutidos na cozinha e dormitórios. Existe também a opção de imóveis mobiliados.

Para quem, assim como eu, gosta de pesquisar sites imobliliários, este é interessante

Todo bairro tem sua estrutura com uma pequena área comercial, bancos, mercado e escolas. Isso facilita muito a vida dos espanhóis e a minha também, claro! Fazemos tudo a pé, pela manhã, as crianças vão para as escolas de patinete, bicicleta e depois os pais caminham para os seus transportes. Uma sensação tão diferente das minhas manhãs enloquecidas no Brasil, correndo para ninguém chegar atrasado, eu não consigo expressar ou explicar esse sentimento.

Contas

Luz e gás

Há varias prestadoras de serviço, eu escolhi a Fenosa  que traz os dois serviços na mesma fatura, que não são sempre mensais. Nos meses de menor gasto, como na primavera e outono, as contas são trimestrais. Nos meses de maior gasto, eles enviam as contas mensalmente. Meio complicado no começo, mas a gente se acostuma e até aprende a economizar. Existe horário de luz mais barata, dependendo do plano escolhido. Em média, gastamos 150€ por mês (lembrando que aqui em casa somos 4 pessoas).

Água

Para se ter a conta de água é necessário ter feito o empadronamiento. O pedido de agua é feito em um escritorio da “prefeitura” (chamado ayuntamento), porque é uma maneira de se ter um controle estatístico da população. A empresa prestadora chama-se Emasesa

O valor do cálculo da conta de água depende da quantidade de pessoas registradas no empadronamiento, ou seja, de quantos vivem naquele imóvel. A conta é trimestral, variando em média 40€ por mês.

Nossa! Hoje foram muitas informações para vocês, vamos deixar os outros tópicos para uma próxima? Afinal, nós “espanhóis” temos a nossa “siesta”…

Foto Capa: Reprodução Google

Comentários