Um blog com dicas e experiências sobre viagens pela Europa. Aqui contamos a nossa historia :-)

Trabalhadores dos EUA estão recebendo salários mais altos

159

Os EUA estão ficando sem trabalhadores disponíveis, e isso significa que eles estão recebendo salários mais altos.

O que resta em termos de mão de obra inativa está sendo eliminado a um ritmo mais rápido do que o previsto pelos economistas. Além disso, os dados do mercado de trabalho de julho mostram a geração de 255.000 empregos no mês. Essa combinação é a receita para o aumento dos salários — e foi exatamente isso o que aconteceu.

Em uma base mensal, o crescimento do salário médio por hora foi maior do que o esperado. Em uma base anual, esse indicador agora eclipsou seu pico pós-recessão.

Os sinais de pressão para aumento dos salários não se limitaram aos dados do mercado de trabalho. O Atlanta Fed Wage Growth, que monitora o aumento da remuneração entre os indivíduos usando microdados (e, como tal, é ajustado implicitamente pelas mudanças na composição da mão de obra), mostra que a mediana dos trabalhadores viu seu salário subir 3,6 por cento até junho, ritmo mais rápido desde 2009.




Após cair e se estabilizar entre o segundo semestre de 2015 e o início deste ano, o crescimento anual do índice de custo do emprego (que monitora as mudanças nos salários e nos benefícios recebidos) subiu um pouco, para 2,6 por cento, até meados de 2016.

Os custos unitários do trabalho, um indicador do salário e da produção por hora, subiram 3 por cento na comparação ano a ano até o primeiro trimestre, sendo que a média móvel do quarto trimestre ficou pouco abaixo de seu pico até esta altura do ciclo.

A aceleração do crescimento dos salários também pode ser observada se estudados os balanços de resultados corporativos e as teleconferências, especialmente nos setores de fast food e varejo. Empresas como Starbucks, Wal-Mart e Chipotle Mexican Grill são alguns exemplos de pontos em que o aumento do salário mínimo deverá gerar impacto.

A porcentagem de pequenas empresas consultadas pela Federação Nacional de Empresas Independentes dos EUA (NFIB, na sigla em inglês) que dizem que seu maior problema é encontrar trabalhadores de qualidade também acelerou no final do segundo semestre, para um nível pouco abaixo do mais alto deste período de expansão.

 

Fonte: Exame.com

 

Comentários